Inteligência Emocional: Como as emoções influenciam o aprendizado?
14 agosto 2019 - Pense Grande

Quando pensamos em uma educação inovadora algumas habilidades como autonomia, resiliência, inteligência emocional se torna  uma disciplina tão obrigatória como a Língua Portuguesa, Matemática ou História nas escolas tradicionais.  O desenvolvimento das habilidades socioemocionais são relevantes também para a formação dos alunos, pois se não se foram ensinadas a deficiência em saber lidar com diversas situações podem acabar interferindo no aprendizado.  

Segundo a neurocientista Carla Tieppo  em uma entrevista concedida a Fundação Telefônica Vivo os adolescentes têm uma motivação para encarar desafios, correr riscos, porém, eles  vivem marcados por situações de muita insegurança. As crianças como adolescentes precisam ser estimulados a entender o que sentem, como sentem, porque sentem e levar essas discussões para os educadores e pais. 

Como introduzir o tema inteligência emocional no âmbito escolar?

Alguns passos que podem ser aplicados até mesmo em sala de aula para desenvolver a inteligência emocional. O primeiro é Saber ouvir, o professor tem a tarefa de ensinar o aluno a ouvir, sendo um item importante para a empatia. O jovem deve se sentir parte daquele diálogo e compreender tudo que está sendo dito. 

O segundo passo é abordar situações de crise e mostrar como lidar com essas situações, se colocando no lugar da pessoa, alguns exercícios de respiração também podem auxiliar o jovem a encarar de forma positiva um cenário desafiador. E o terceiro passo é estimular a resiliência é papel também do professor mostrar as diversidades de diversas situações e como encará-las. Esses passos podem ser feitos por meio de atividades, jogos ou uma roda de bate-papo.

 Compartilhe conosco se a sua escola já fez alguma abordagem com os alunos sobre a inteligência emocional!